A aposta nos vídeos

Recentemente, o mundo das redes sociais foi balançado pelo anúncio do head do Instagram de que o app não é mais voltado para o compartilhamento de fotos, e sim de vídeos. A tendência já estava presente desde o lançamento dos Reels, formato de vídeos curtos inspirado no TikTok, e deve se consolidar agora através da exibição dos vídeos em tela cheia, da recomendação de novas contas que entregam esse tipo de conteúdo e do estímulo a experiências imersivas.

A novidade é uma tentativa de surfar na onda de sucesso do aplicativo chinês TikTok e seus vídeos de 15 ou 60 segundos, que aparecem em tela cheia e têm alto poder de atração e retenção dos usuários. O foco em entretenimento, com conteúdos engraçados ou dancinhas estimuladas pelos challenges, parece ser um dos segredos para manter a atenção de quem navega pela rede.

Uma pesquisa da GlobalWebIndex, consultoria de dados digitais, mostrou que 48% dos usuários do TikTok entram na plataforma para ver vídeos engraçados, contra 42% do Instagram e 36% do Facebook. Outro grande tema de importância são as atualizações de outros usuários, que motivam 47% das pessoas que usam o TikTok, contra 43% do Instagram e 40% do Facebook.

O interesse na atividade de outros usuários indica o potencial para o surgimento e o crescimento de influenciadores digitais.

O sucesso não demorou a motivar outras plataformas a adotarem formatos parecidos. O Instagram criou primeiro os Stories e depois os Reels, o YouTube, os Shorts, e mais recentemente até o Pinterest incorporou o recurso Idea Pins para que os usuários produzam vídeos com transições e edições criativas.

E assim as plataformas competem pela atenção e tempo de tela dos usuários, buscando atender uma demanda de conteúdos mais dinâmicos, de rápido consumo e facilidade de acesso por celular.

E as marcas? Como podem se posicionar?

O investimento em conteúdos em vídeo deve ocupar um lugar de destaque nas estratégias de marketing das marcas. Mas há desafios a superar. Uma vez que a propagação espontânea de conteúdos de marcas deve se tornar mais difícil, vai ser essencial mostrar criatividade, assertividade, relevância e abusar das parcerias com criadores de conteúdo e influenciadores digitais.

As campanhas podem ser favorecidas com o maior awareness e engajamento que esse formato permite. A base de seguidores também pode sair ganhando com a função de recomendação, que leva o conteúdo para usuários que se identifiquem com a marca. Se os vídeos viralizarem, então, aumentando o alcance orgânico das publicações, a imagem da marca pode sair muito fortalecida diante do público.

Você quer firmar a presença em vídeo da sua marca nas redes sociais? Fale com a gente. Podemos apresentar estratégias efetivas e criativas para produzir conteúdos que farão a diferença para o seu público.

Fontes:

Como o TikTok deixou de ser um passatempo adolescente e virou coisa de gente grande

Chefe do Instagram diz que app não é mais voltado para compartilhar fotos; rede deve ficar mais parecida com TikTok

A “tiktoketização” das redes sociais

Como as mudanças no Instagram impactam as marcas

--

--

--

Somos uma agência de várias culturas, várias línguas, várias formas de pensar, agir e ser.

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Moringa

Moringa

Somos uma agência de várias culturas, várias línguas, várias formas de pensar, agir e ser.

More from Medium

The Rise of Solarpunk

𝗧𝗵𝗲 𝗡𝗲𝘅𝘁 𝗠𝗼𝘃𝗲𝗺𝗲𝗻𝘁 𝘄𝗶𝘁𝗵 𝙎𝙏𝙀𝙋𝙉 🏃‍♂️

A Christmas Miracle

Week5-Visual Experiment2